Irmã de capixaba morta em João Pessoa afirma que crime foi premeditado: “Essa notícia de entrevista, isso é mentira”

mangabeira - Irmã de capixaba morta em João Pessoa afirma que crime foi premeditado: "Essa notícia de entrevista, isso é mentira"

Foto: reprodução

Nathalia Barros Ramalho Lemos, irmã da capixaba Mayara Valéria Barros, de 37 anos, assassinada na praça de alimentação de um shopping em João Pessoa, capital da Paraíba, na última sexta-feira (12) afirmou que o crime foi premeditado.

De acordo com ela, a hipótese de o atirador ter sido rejeitado pela irmã, que era gerente de um restaurante localizado no shopping, em uma entrevista de emprego é falsa e que o homem teria sido contratado por alguém. A alegação foi feita pelo próprio suspeito.

“Essa notícia de entrevista, isso é mentira. Isso nunca aconteceu. Nunca existiu essa entrevista. Isso foi um crime premeditado. A gente ainda está investigando, realmente, a causa de tudo. Mas foi um crime premeditado e a gente consegue ver pela calma dele, a frieza de como ele era profissional no que ele fazia. Ao ponto de achar que ninguém pegaria ele dentro de um shopping”, contou em entrevista ao Folha Vitória.

Ainda segundo Nathalia, a irmã não conhecia o atirador e nunca o tinha visto antes do crime. Ela afirma que não há nenhum registro de qualquer entrevista de emprego realizada com o suspeito.

“Ela não conhecia, ela nunca viu ele na vida. Alguém contratou esse cara e fez isso com ela. Não tem nada no RH, no notebook confirmando que teve entrevistas. Quem trabalhou com ela, os outros gerentes, falou que esse cara nunca apareceu por lá.”

Além disso, ela afirma que o homem, de 48 anos, já estaria acima da idade recomendada para assumir um cargo de serviços gerais, que teria se candidatado na suposta entrevista.

“Ele 48 anos. Ele era velho para querer trabalhar como serviço de gerais. Isso é mentira. Nenhum gerente dá o número pessoal para quem quer trabalhar. A gente dá o número do nosso RH.  Eu também sou gerente,  quando eu faço essas coisas, eu nunca dou o meu telefone pra um candidato, então isso é mentira”, afirmou.

Nathalia chegou a morar com Mayara por 6 anos na Paraíba, mas voltou para Vitória. Atualmente a vítima vivia com o marido e uma filha no nordeste do país.

Corpo chega ao Espírito Santo na segunda-feira

O corpo de Mayara chega ao Espírito Santo na próxima segunda-feira (15) e deve ser velado e sepultado ainda na terça-feira, de acordo com Nathalia. A irmã da vítima pede justiça e esclarecimentos sobre o caso.

“Ela era uma pessoa linda por dentro e por fora, com um coração maravilhoso. O coração dela era encantador. Queremos justiça”, finalizou.

 

Compartilhe:

source
Fonte: Polemica Paraíba

Compartilhar:

WhatsApp
Facebook
Twitter
Telegram
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *